Papas com Leite Materno

Quando comecei a pensar na questão das papas, comecei também a analisar rótulos. Eu sabia que no dia em que olhasse bem para eles ia arranjar uma dor de cabeça!

Na minha perspetiva a comida, tanto a nossa como a dos bebés, deve ser o mais natural possível e quando reparei na composição de uma das papas mais utilizadas pela generalidade das pessoas vi que ela continha coisas que eu prefiro introduzir ao meu bebé um pouco mais tarde. Entre elas está o açúcar, o adoçante (no caso era maltodextrina. Não pesquisem muito sobre isto senão não comem nada 😛 ), emulsionantes, gorduras vegetais sei lá de que ordem e aromatizantes.

A minha reação imediata foi “Não – tem de haver uma alternativa a isto!”. E existe, vende-se numa conhecida loja de dieta umas farinhas instantâneas que dá para adicionar leite materno e não tem uma vasta lista de ingredientes.
Por exemplo, o ingrediente da papa de arroz é arroz integral. Isto assim já me faz mais sentido.

Mas eu quis ir mais além e como sou desconfiada, não acredito que os processos que tornam os cereais que têm de cozer em cereais instantâneos sejam muito saudáveis.

Organizei uma conferência entre os meus neurónios e eles concluíram que valia a pena investir tempo a pesquisar sobre comprar farinhas e torna-las comestíveis para bebés. Pesquisei na internet a ver se arranjava um ponto de partida mas não há informação. Então a opção foi por mãos à obra e fazer experiencias na cozinha.
Quando finalmente cheguei a um resultado bom, fui procurar tabelas nutricionais, comparei o valor nutricional do arroz (que foi o caso da primeira papa que fiz) e da papa de arroz comercial.

Reparei em duas coisas: uma delas é que os valores nutricionais que são próprios do cereal são aproximadamente os mesmos a outra coisa que reparei foi que a papa de compra vem enriquecida com os tais aditivos como já tinha visto, mas também traz um cocktail de vitaminas associado.

Ao ver isto, uma mãe questiona-se sempre se ao fazer o que é natural está a dar o melhor ao seu filho mesmo vendo que o artificial está empestado de químicos mas até tem pontos positivos como as tais vitaminas e é bem prático (imagino porque nunca fiz)

Perguntei à médica e, infelizmente, como as coisas estão tão formatadas para serem todas iguais, quando falei em fazer a minha própria papa ela mudou de assunto, ou seja, fiquei na mesma.

Instalou-se o dilema. Caseiro ou de compra?

Agora já sabia melhor os prós e os contras e tratava-se de fazer uma escolha. Cada mãe é que sabe o que quer e tem de se respeitar todas as razões, argumentos e escolhas de cada um.
(Eu digo isto porque, entre opiniões mais convencionais e outras mais diferentes, às vezes os ânimos exaltam-se e o que podia ser uma boa troca de conhecimento torna-se numa discussão.)

Eu escolhi o natural, o meu rebento gosta da papa e está a crescer bem e saudável.

Como tive muita dificuldade em arranjar uma ajuda sobre como elaborar estas papas, resolvo partilhar a minha receita.

A minha receita é quase só um modo de fazer porque as quantidades de líquido vão depender muito da quantidade de fruta e do sumo que essa fruta tem (tem de se arranjar um substituto natural para o açúcar e o adoçante senão a papinha fica intragável pelo que a fruta é a opção ideal).
Para mais ou menos 200ml de papa, os ingredientes são:

60ml de água

1 peça de fruta ou varias frutas que façam a quantidade de uma peça de tamanho médio. Convém que seja fruta que o bebé já tenha comido antes. Banana talvez não seja uma boa opção já que tanto os cereais como a banana têm fama de prender os intestinos.

2 colheres de sopa de farinha (arroz ou milho, ou as duas, ou outra, depende do que o bebé já possa comer, por causa da questão do glúten.)

80ml de leite materno.

Preparação:

Num tachinho, colocar a água, a farinha e a fruta partida grosseiramente.

1
Com o lume baixo, mexer sempre. Quando começar a engrossar, mexer com atenção para não pegar muito, durante 5/7min.

Se estiver tão grossa que fica uma bola agarrada à colher é porque precisa de mais um pouco de água.
Ir acrescentando às colheres, por norma uma a duas colheres de sopa de água resolvem.

Nesta fase a papa tem de ter uma consistência difícil de explicar mas na foto acho que dá para ver melhor.

2

Provar (se sentirmos que a farinha ainda sabe a cru, tem de ficar mais um pouco ao lume).

Passar tudo para um copo misturador e adiciona metade do leite que temos reservado e triturar com a varinha magica.
3

Ir acrescentando leite até ficar com a consistência desejada.
4

Passar para uma tacinha ou prato e está pronta a comer.

Se a papa ficar muito fria, pode aquecer-se um pouco o leite antes de adicionar à base.
5

O leite materno não pode atingir temperaturas muito elevadas.

Atenção que estas papas, como não têm emulsionantes, não se podem mexer muito com a colher já depois de estarem no prato.
Começam a tornar-se líquidas por isso talvez seja melhor faze-la um pouco mais grossa e na altura de dá-la, tentar tirar colheradas mais pelo rebordo do prato.

Se se utilizar pera, como tem muito sumo se calhar é melhor começar com 40ml de água, já se for com maçã, os 60ml devem chegar.

Deve ser possível fazer-se com leite artificial mas nunca experimentei.

Era bom fazer algumas experiencias porque há bastantes variáveis que afetam a consistência da papinha.

A partir daqui é adaptar ao gosto do bebé. Eu prefiro que ela fique um pouco mais liquida mas que tenha mais leite e menos farinha para ele não ficar gordinho mas quando ele deixar de ficar saciado tenho de aumentar a dose.

Como podem ver, não é difícil de fazer mas também não é a coisa mais prática do mundo por isso, julgo que é possível fazer toda a receita sem juntar o leite e congelar, depois, quando for necessário deve ser só descongelar, aquecer a papa e o leite, juntar e triturar.
Também se deve aguentar bem só no frigorífico se não passar dos 2/3 dias.
Eu cá, opto por fazer todos os dias, mas isso é porque posso 🙂

Se alguém souber mais alguma receita era bom que pudesse partilhar connosco.

Espero que as mães e os bebés gostem.

Boas pápas 🙂

Joana

______________________________________________________________________
A Joana Martins é cliente da Loja ecologicalkids de Lisboa e mãe de um bebé lindo :-)
A curiosidade maior na vida desta nossa cliente é que a Joana como o marido estão em casa com o bebé, trabalham ambos em part time e de manhã fica o pai como bebé e durante a tarde a mãe.
Uma opção de vida que estão a adorar :-)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s